Defina melhor o horário para seus posts no Facebook

por em Geral Nenhum comentário

Os profissionais de marketing e comunicação que trabalham com social media costumam ter discussões acaloradas sobre os melhores dias e horários para fazer publicações nas diferentes redes sociais.

No Facebook, isso não é diferente: ao fazer posts em horários favoráveis, sua empresa aumenta as chances de que o conteúdo tenha maior alcance e engajamento entre os fãs, contribuindo para o reconhecimento da marca e a melhoria resultados da estratégia de marketing digital como um todo.

Mas será que é realmente possível descobrir o melhor horário para fazer publicações no Facebook? Confira agora!

face-time-2

Conheça os horários desfavoráveis

Uma rápida pesquisa na internet é suficiente para encontrar fontes de informação que apontam como ideais alguns horários totalmente diferentes. Por isso, uma boa forma de começar é encontrar aquelas horas que todas essas fontes acreditam não serem ideais para fazer uma publicação.

Em geral, os horários mais desfavoráveis são nos fins de semana e durante a madrugada. Além disso, as pessoas costumam acessar menos as redes sociais durante o horário comercial. É claro que também existe atividade de usuários nesses períodos, mas ela certamente será menor quando comparada aos horários de pico.

Analise os relatórios

O Facebook é uma das redes sociais que traz as melhores ferramentas para que os profissionais que trabalham com social medida avaliem sua presença na web. Os relatórios gerados em sua página ajudam a descobrir os horários ideais para as publicações, de forma simples e visual.

Acesse a aba ‘Informações’ e em seguida clique em ‘Publicações’. Ali, é possível ver os horários do dia em que seus fãs estão online, por meio da quantidade média de pessoas que viram qualquer publicação no Facebook em uma determinada hora de um dia da semana.

Esses horários são aqueles em que seus fãs estão mais ativos no Facebook, fazendo updates, adicionando amigos, curtindo e comentando, o que aumenta a chance de que você entre na linha do tempo dessas pessoas em um horário mais adequado.

O conteúdo é rei

Lembre-se de que as informações sobre os melhores horários para fazer publicações não podem ser proibitivas para suas atividades no Facebook. Imagine que sua empresa faça uma publicação trivial em um excelente horário e outro post com um conteúdo incrível em uma hora desfavorável. Ainda assim, pode ser que essa última publicação apresente resultados superiores em engajamento e alcance. Isso mostra a importância do desenvolvimento de um conteúdo sempre rico, atualizado e de interesse do público-alvo.

Experimente

Muito melhor do que fazer pesquisas sobre os melhores horários de publicação no Facebook é experimentar com sua própria base de fãs. Faça publicações nos horários considerados desfavoráveis e veja como seu público se comporta. Ou então varie as publicações durante um mesmo mês para ver quais aquelas que estão trazendo resultados mais interessantes.

Nesse caso, é fundamental acompanhar de perto as estatísticas da sua página no Facebook para conhecer o comportamento dos fãs e fazer as mudanças necessárias para otimizar o alcance e o engajamento do conteúdo.

E você? Qual acredita ser o melhor horário para postar no Facebook? Deixe seu comentário!

Saiba como o Big Data pode ajudar sua empresa

por em Geral Nenhum comentário

Com o uso diário e praticamente ininterrupto da internet, o volume de dados que as pessoas e organizações geram no dia a dia explodiu no século XXI. Esse cenário tornou possível a espantosa estatística de que 90% de toda a informação que temos disponível atualmente no mundo foi criada somente nos últimos dois anos.

464848191

Qualquer empreendedor consegue notar que tanta informação é praticamente impossível de ser acompanhada em sua totalidade no dia a dia de um negócio. Mas é justamente aí que entra o Big Data: a tendência busca o desenvolvimento de soluções e métodos para lidar com essa montanha de informações e conseguir aproveitá-las para aprimorar a estratégia.

Se você ainda não sabe como o Big Data pode ajudar sua empresa a lidar com grandes volumes de informações, chegou a hora de mergulhar no tema!

Substituindo ferramentas tradicionais

O volume de dados gerado em fontes como as redes sociais é tão grande que as técnicas tradicionais de processo e análise de informações são incapazes de lidar com ele. Parte do Big Data é proporcionar ferramentas e soluções que possam identificar, coletar, processar, armazenar, organizar e analisar essas informações sem que as empresas tenham que empreender grandes esforços para isso.

Aumentando a agilidade

O tempo necessário para lidar com um grande volume de informações pode fazer toda a diferença em mercados competitivos. O Big Data reduz esse gap entre a geração do dado e a sua transformação em informação de valor, permitindo que os empresários identifiquem oportunidades no ambiente interno e externo de forma muito mais ágil.

Contribuindo para a estruturação

Grande parte do volume de dados gerado na web é não-estruturado, exigindo que as empresas façam algum tipo de tratamento antes que eles possam ser aproveitados. O Big Data ajuda as organizações a encontrar um sentido na montanha de informações vinda de diferentes fontes respondendo a perguntas como: o dado é de qualidade? É confiável? Está atualizado? É relevante para a empresa? Além disso, as soluções e métodos do Big Data também contribuem para que as informações sejam analisadas em conjunto, proporcionando insights que antes poderiam parecer inconcebíveis.

Trazendo à tona informações ocultas

Não raramente, as empresas possuem informações que conheciam e não utilizavam, ou o que é ainda pior, nem mesmo sabiam de sua existência. Em função da sua capacidade de estruturar as informações, o Big Data também pode fazer com que esses dados, antes inúteis, possam contribuir diretamente para as decisões estratégicas do negócio.

Ainda que todo o potencial do Big Data pareça muitas vezes distante da realidade da sua empresa, a capacidade de lidar com grandes volumes de informações pode fazer toda a diferença em organizações de diferentes portes e segmentos.

Atualmente, algumas marcas já aproveitam essa característica do Big Data para identificar problemas, obter insights nas áreas de marketing e vendas, promover mudanças nas operações, aprimorar o relacionamento com os consumidores e muito mais.

E você? Acredita que as soluções e práticas do Big Data podem realmente contribuir para o desempenho da sua empresa? Deixe seu comentário!

Dê seu primeiro passo para a sustentabilidade!

por em Geral Nenhum comentário

banner-twitter (2)

Você sabia que o consumidor percebe mais valor em empresas sustentáveis? De acordo com as principais pesquisas sobre o tema, é possível capturar grande valor na empresa por ter práticas sérias de sustentabilidade. Em média, 66% dos consumidores estão mais dispostos a comprar em empresas ecofriendly (Nielsen) e, de acordo com o MIT, em 31% das empresas que investem em sustentabilidade é gerada vantagem competitiva.

A Site Sustentável é uma empresa fundada com a missão de ajudar as empresas a capturarem esse valor. Eles criaram uma forma de cada empresa fazer sua pequena parte e desta forma querem mobilizar a internet toda por esse propósito, levando a sustentabilidade para todos os sites e consumidores brasileiros.

A partir do tráfego do seu site, eles plantam o número de árvores necessárias para neutralizar o CO2 emitido pela sua página na internet. Assim, tornando-a sustentável e dando direito à exibição do Selo Site Sustentável, que pode ser visto em mais de 500 sites que se preocupam com o meio ambiente. (Para entender melhor, acesse: www.sitesustentavel.com.br)

São plantadas espécies nativas de Mata Atlântica de forma transparente, disponibilizando para todos que entram no site a localização exata e fotos das árvores. Assim, conseguem ajudá-lo a atrair os consumidores conscientes, passando credibilidade e agregando valor à sua marca como uma empresa preocupada com o meio ambiente. Desta forma, viabilizam economicamente um investimento que é acessível para qualquer empreendedor.

Ao todo já foram plantadas 15 mil árvores e gerado um enorme impacto ambiental em menos de dois anos. Para conhecer mais e descobrir quantas árvores seu site precisaria plantar, acesse: www.sitesustentavel.com.br

Saiba como medir seu ROI em Marketing Digital

por em Geral Nenhum comentário

Um dos maiores desafios do marketing digital é a mensuração de retorno para o cliente de uma campanha. O método mais utilizado para executar essa tarefa chama-se ROI (sigla inglesa que significa retorno sobre investimento). Esse procedimento permite que empresas consigam determinar a quantidade de negócios realizados em decorrência de uma campanha. A fórmula para esse cálculo é a seguinte: ROI = (retorno de investimento – investimento inicial) / (investimento inicial x 100).

roi blog

Se, por exemplo, você investiu R$ 100 mil para promover um novo produto de sua loja online no Facebook e, por meio de conversões decorrentes, conseguiu vender R$ 200 mil do produto anunciado, o retorno seria positivo. Veja: ROI = 200.000 – 100.000 / 100 x 100 = 100%

Os cliques da campanha podem ser medidos por ferramentas específicas. O Facebook disponibiliza o Conversion Measurement, e o Google disponibiliza o Analytics. Ambos indicam quantos cliques em seu anúncio levaram usuários ao seu site e quantos compraram.

Capital de retorno não-financeiro

Uma campanha em redes sociais ou por meio de um blog, porém, torna mais complexo esse tipo de cálculo, pois o retorno pode não acontecer em termos financeiros. Ainda assim, é possível gerar um capital simbólico para sua marca que, mais tarde, tende a ser tornar financeiro. Estamos falando dos cliques, comentários e diversos modos de interação que uma campanha de marketing digital pode gerar nas plataformas atuais. Mas como medir o ROI dessas interações? A dica é separar por áreas e distribuir pesos distintos, de acordo com a cada uma delas.

Abrangência

Considere como retorno de investimento a quantidade de likes que sua página ganhou com o Facebook, as novas conexões feitas no LinkedIn, as visitas que seu site recebeu e os novos seguidores no Twitter que vieram por meio da campanha. Esses itens representam também a aceitação de seu público da campanha veiculada e teriam, como exemplo, peso 2 dentro da fórmula ROI.

Engajamento

Outro meio de medir a efetividade de uma campanha é contabilizando a participação direta de sua audiência. Aqui, quantifique os retuítes, mensagens diretas e menções no Twitter, compartilhamentos e comentários no Facebook e LinkedIn, além dos comentários no blog ou site.

Ao sair da zona de conforto de dar um like ou apenas seguir um conta e comentar ou validar (compartilhamento) o conteúdo, a interação com a marca é maior e estabelece-se um laço mais forte que no item abrangência. Por isso, o peso aqui deve ser de 3 pontos. Outro fator a se considerar aqui é binaridade das interações, podendo essas serem positivas ou negativas. Portanto, ao calcular o retorno, neste caso, considere apenas aquelas positivas pois o contrário não significa um retorno válido.

Conversão

Por último, o mais importante para empresários que esperam obter lucro com o investimento na campanha é a conversão. A taxa de conversão consiste na quantidade de usuários que, por meio do marketing feito, de fato compraram o produto ou concluíram outro objetivo da campanha, como: registraram-se para receber newsletters, fizeram downloads de documentos ou se cadastraram no site. Seguindo nosso exemplo, recomenda-se usar peso 4.

E aí, o que achou das formas de medir o ROI de sua campanha digital? Esperamos que tenha aprendido e não se esqueça de deixar suas dúvidas na seção de comentários abaixo.

Instalação do Moodle no Jelastic

por em Jelastic,TecnoPapo Nenhum comentário

O Moodle é uma plataforma open source de aprendizagem a distância feita em PHP e largamente utilizada por instituições de ensino em todo o mundo. Através dela é possível organizar um curso online, por exemplo.

Neste artigo, iremos, ver como instalar o Moodle no Jelastic passo-a-passo.

600x300_Moodle

Criação do ambiente

O primeiro passo é criar o ambiente. Para isso basta clicar no botão Criar ambiente. Selecione a aba PHP e em seguida, o servidor web e o banco de dados que você deseja usar.

Neste exemplo, optei pelo Apache com MariaDB (versão 10.0), mas você poderia muito bem optar pelo Nginx ou por qualquer um dos bancos de dados relacionais suportados pelo Jelastic (MySQL ou Postgres), pois o Moodle também suporta estes.

A documentação do Moodle diz que 256MB de memória RAM é o mínimo para executar o programa, mas que 1GB é altamente recomendado, sendo que cada gigabyte costuma suportar 10 a 20 usuários ao mesmo tempo. Contudo, esses são números para uma instalação em um servidor físico, onde a memória RAM será utilizada para todos os processos da máquina e do sistema operacional.

Já no Jelastic, podemos atribuir memória e processamento especificamente para cada uma das partes do nosso “stack web”. Depois de instalado, o Moodle consumiu apenas 1 cloudlet para o Apache e 1 para o banco. Por isso mesmo, você pode configurar tanto o banco como o servidor web com um mínimo de 1 cloudlet (128MB e 200 Mhz) reservados. No final, a configuração ficou semelhante a imagem abaixo.

Criação do ambiente no Jelastic

Configuração do banco de dados

Uma vez tendo criado o ambiente, é hora de configurarmos o banco de dados para a nossa instalação do Moodle. Quando o ambiente tiver sido criado, você deve receber um email com os dados relativos ao seu banco de dados.

A URL informada irá te levar para uma instalação do phpMyAdmin. Acesse o sistema com o usuário e senha enviado no email. A partir dai devemos efetuar as modificações necessárias para colocar o Moodle em funcionamento.

A primeira delas é clicar na aba Bancos de dados e criar um novo banco entitulado moodle, definindo o collation como utf8_unicode_ci.

Em seguida, crie um novo usuário (moodle_user, por exemplo) para acessar o banco recém criado e atribua apenas as seguintes permissões para ele: SELECT,INSERT,UPDATE,DELETE,CREATE,CREATE TEMPORARY TABLES,DROP,INDEX,ALTER

Certifique-se que você irá se recordar do nome do usuário, senha definidas nesta etapa, pois você precisará desses dados durante o processo de instalação do Moodle. No final sua configuração ficará semelhante a essa:

criação do banco de dados

Instalação do Moodle

O passo seguinte é efetuarmos a instalação do Moodle propriamente dita. Poderíamos fazer isso através do repositório Git do projeto, porém, como trata-se de um repositório bastante grande, optei por fazer o deploy via pacote zip. Para isso, acesse o site do Moodle e baixe o pacote zip da última versão estável do software para a sua máquina.

Feito isso, clique no botão Upload e suba o arquivo zip com o código fonte da versão do Moodle que você acabou de baixar, conforme a imagem abaixo:

Upload do Moodle

Depois disso o pacote aparecerá na seção Gerenciador de Instalação. Clique no botão Instalar em que surge e escolha o ambiente para fazer o deploy.

Depois disso, basta acessar a URL definida por você no momento da criação do ambiente ou clicar no botão Abrir no navegador, que surge quando você aproxima o ponteiro do mouse das opções do seu Apache.

Finalizando a instalação

Caso tudo tenha ocorrido bem, você poderá ver a página de instalação do Moodle rodando na URL seu_aplicativo.jelasticlw.com.br que você definiu anteriormente.

Instalação do Moodle

A tela seguinte exibe os caminhos (“paths”) da instalação. Os valores padrão são aceitáveis aqui:

Confirmação dos caminhos

Configuração da base de dados

O próximo passo é definir a base de dados que estamos utilizando. Uma vez que escolhemos o MariaDB durante a instalação, devemos alterar o valor padrão para essa opção de acordo com a imagem:

Escolha do driver do banco de dados

Talvez o passo mais importante da instalação do Moodle propriamente dito seja a tela onde devemos inserir os dados do banco de dados, conforme configuramos anteriormente.

  • Host da base de dados: nela, ao invés de “localhost” insira o endereço da sua base de dados sem o prefixo “http://”
  • Nome da base de dados: o nome da base de dados que configuramos através do PHPMyAdmin.
  • Usuário da base de dados: o usuário da base de dados que configuramos através do PHPMyAdmin.
  • Senha da base de dados: a senha definida anteriormente para o usuário acima (não a senha de root).

Os outros valores podem ser aceitos da maneira como estão. Não há a necessidade de preencher os 2 últimos campos. Em nossa instalação de testes, o resultado foi esse (o campo senha foi ofuscado):

Configuração da base de dados

Finalizando a instalação

Na tela seguinte você terá que aceitar a licença do Moodle (não se preocupe, pois trata-se de um software livre) e então será apresentada uma tela com as extensões do PHP necessárias para que o Moodle execute de maneira bem sucedida.

Você não precisa fazer nada, pois o Jelastic resolverá todas as dependências automaticamente. Caso alguma biblioteca apareça como “A ser instalado”, dê mais alguns minutos para que o Jelastic termine de baixar todas as dependências em segundo plano e repita a operação.

Na etapa a seguir, você deve configurar o primeiro usuário do Moodle (admin) e então definir os dados gerais da instalação, como nome do site, descrição, etc.

Se tudo tiver ocorrido bem, você será redirecionado a homepage do seu Moodle e poderá ver uma tela semelhante a esta:

Tela padrão do Moodle

Pronto! O seu Moodle já está rodando no Jelastic. A partir daí você já pode logar nele com o usuário e senha cadastradas e começar a criar cursos, novos usuários, subir material didático, etc.