5 motivos para ler Isaac Asimov

em Artigos, Tecnologia.

Não sei você, mas eu adoro um bom livro para fugir um pouco do dia a dia, relaxar, adquirir conhecimento… E uma forma de viajar para outros mundos e pensar mais sobre tecnologia e a forma como nos relacionamos com ela é lendo Isaac Asimov.

O autor russo nasceu em 1920, foi para os Estados Unidos com a família quando tinha três anos de idade e cresceu em Nova York. Foi professor de bioquímica na Universidade de Boston e é responsável por escrever e editar mais de 500 obras sobre tecnologia e o futuro da humanidade.

Asimov era um visionário e tinha pensamentos que iam muito além de sua época, tanto que acertou muitas previsões tecnológicas e também ficou conhecido como o “pai da robótica”. E é por isso (e muito mais) que você, fã do mundo tech, deveria ler suas obras.

Para convencê-lo, listamos 5 motivos para você largar o que está fazendo e comprar, pedir emprestado, ou pegar um livro de Isaac Asimov que esteja em sua prateleira e devorá-lo nesse momento:

// 1 – Se você gosta de ficção científica…

Não pode deixar de ler Asimov. Isso porque o autor está entre os três principais escritores do gênero – e você já viu que o cara escreveu e revisou muitas obras, foram mais de 500! Destaque para a série Fundação, que mostra como seria se galáxias e planetas fossem dominadas pelo homem. Ela foi eleita a melhor série de ficção científica e fantasia de todos os tempos pela World Science Fiction Society, em 1966.

Outra obra que podemos destacar é Eu, Robô – mas falaremos dela em breve. Um fator interessante é que os livros de Isaac podem parecer complexos, mas a linguagem é simples e os livros são empolgantes, quando a gente vê lá se foram capítulos em um piscar de olhos!

// 2 – Asimov criou as Leis da Robótica

Como falamos, Isaac Asimov é considerado o “pai da robôs” e foi ele quem criou as Leis da Robótica, que define em regras básicas, como robôs e seres humanos devem conviver pacificamente. O legal é que essas leis são levadas à sério por muitos estudiosos da área:

1ª lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por ócio, permitir que um ser humano sofra algum mal.

2ª lei: Um robô deve obedecer às ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens contrariem a Primeira Lei.

3ª lei: Um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e Segunda Leis.

O autor, depois de um tempo, também criou uma quarta lei, a Lei Zero que diz:

Um robô não pode fazer mal à humanidade e nem, por inação, permitir que ela sofra algum mal.

// 3 – Esqueça o filme Eu, Robô. Leia o livro!

Agora sim, vamos falar de Eu, Robô. Talvez você lembre desse nome por causa do filme, estrelado por Will Smith e lançado em 2004. Tem gente que gosta, outros nem tanto… Gostando ou não, o longa foi inspirado nas obras de Isaac Asimov – mas pasme: não necessariamente no livro.

Foi no livro Eu, Robô, publicado em 1950, que o autor publicou as leis da robótica e brincou com elas nos nove contos que compõem a edição. As histórias trazem uma visão diferente dos robôs – sejam eles domésticos, especializados, da Terra ou do espaço e, particularmente, são incríveis!

Já o filme, inicialmente, não teria nada a ver com a obra de Asimov.

Depois as leis da robótica foram incorporadas e também vemos a personagem Dra. Susan Calvin – mas, novamente, ele tem pouca relação com a obra homônima do autor. Na verdade, ele tem muito mais a ver com outra história de Isaac: As Cavernas de Aço.  

// 4 – As Premonições…

Por estar sempre muito à frente do tempo, Isaac acabou prevendo muitas coisas na área tecnológica. A BBC listou algumas de suas previsões que viraram realidade, entre elas:

 

“As comunicações serão audiovisuais e uma pessoa poderá não só escutar, mas também ver a pessoa que a telefona.”.


“Será possível “telefonar para qualquer ponto da Terra, inclusive as estações meteorológicas na Antártida.”.

 

“Os robôs não serão comuns nem muito bons em 2014, mas vão existir.”.

 

Incrível, não é mesmo? Para saber mais, leia o artigo na íntegra.

 

// 5 – Um asteroide chamado Asimov

Como não querer ler livros de um escritor que tem nada mais, nada menos do que o nome de um asteroide em sua homenagem? Em 1981 um asteroide foi batizado como 5020 Asimov. É, não tem como competir…

E agora que você já sabe um pouco mais de Isaac Asimov, não deixe de ler seus livros e pesquisar sobre sua vida. Como fã de ficção científica, sua mente se expandirá e você aprenderá (e muito) sobre robótica, tecnologia e até sobre relações humanas. Acredite, vale muito a pena! ;)

Já conhecia o autor e quer indicar uma de suas obras? Deixe suas sugestões nos comentários!

 

Você também pode gostar