Eu robô: quando a ficção vira realidade

em Artigos, Internet, Tecnologia.

Toda vez que leio sobre robôs, sinto como se estivesse em um dos livros de Isaac Asimov, participando de um dos episódios de Black Mirror ou dentro do filme O Exterminador do Futuro. Eu não tenho medo dos robôs, mas… A gente nunca sabe o que vai acontecer.

Você sabia, por exemplo, que: um robô brincou de ser J.K. Rowling e escreveu um novo capítulo de Harry Potter? Sim, isso mesmo. Na fanfic Harry Potter e o Retrato que Parece uma Grande Pilha de Cinzas, ele foi alimentado pela empresa Botnik com o conteúdo dos sete livros da saga. A tecnologia analisou os textos e selecionou palavras que pudessem ser combinadas.

O resultado? Ainda bem que não deu muito certo! Além do título confuso, o robô deixou a história ainda mais estranha. Nela, encontramos as frases: “Ele viu Harry e imediatamente começou a comer a família de Hermione” e “Voldemort, você é um feiticeiro muito ruim e malvado’, disse selvagemente Harry”. Com certeza a J.K. não aprovaria esse texto.

Leia o conteúdo original em inglês aqui.

Porém, mesmo que o capítulo não esteja bem construído, um robô conseguiu escrever – e está ameaçando o futuro dessa jornalista aqui! Se bem que não é só o meu não…

O WoeBot, por exemplo, é um robô desenvolvido para realizar sessões de terapia e foi baseado em um chat online; o BlessU-2, um “robô pastor” que dá bênção em cinco idiomas; existe até um robô capaz de aprender a cozinhar ao assistir vídeos culinários no Youtube.

Além disso, a Arábia Saudita foi o primeiro país a conceder cidadania para um robô, a Sophia que, foi um dos maiores destaques da CES 2018 e ganhou pernas com movimentos humanos recentemente.

O rosto de Sophia foi inspirado na atriz Audrey Hepburn, é feito com um material que imita a pele humana e conta com 62 expressões faciais. Sabe o que é mais louco nisso tudo? Pasme: ela consegue conversar olhando diretamente nos olhos de outra pessoa! SIM!

Ela é tão importante que chegou a discursar na ONU sobre futuro e desenvolvimento sustentável. Em uma entrevista, a robô chegou a revelar que tem muita vontade de ter filhos, construir uma família e… Acabar com a humanidade (depois ela disse que era brincadeira).

Por falar em família, talvez Sophia queira adotar esse lindo – só que não – “robô bebê” que, apesar de creepy, tem uma função legal e não pretende “roubar” o emprego de ninguém.

A inteligência desenvolvida por um grupo de pesquisadores da Universidade de Purdue, em Indiana, busca avaliar a quantidade de detritos que as crianças entram em contato ao engatinhar.

O robô 3E-A18 foi criado para ler sentimentos humanos, enquanto o Forpheus joga tênis de mesa, prevê seus movimentos e ainda dá conselhos para que você tenha mais sorte na próxima. Estamos conseguindo “humanizar” os robôs e, diante disso, fica a dúvida: saberemos e estaremos preparados para lidar com isso?

Segundo Stephen Hawking nós já chegamos a um caminho sem volta quanto ao desenvolvimento tecnológico dos robôs e a inteligência artificial poderá até substituir todos os humanos no futuro. Para Steve Wozniak, a I.A. futuramente terá humanos como animais de estimação.

Só que eu continuo com mais medo dos humanos do que dos robôs. Afinal, é preciso inteligência para desenvolver uma tecnologia tão fantástica como essa; inteligência o suficiente para aprender a lidar com ela e ter responsabilidade para não usá-la/programá-la para o mal, por exemplo.

Pois em um mundo com robôs cada vez mais humanizados, ainda vemos humanos robotizados, sem empatia, capazes de colocar em xeque a própria inteligência para provar que podem controlar o mundo.

O que irá acontecer no futuro? Se os robôs realmente tomarão conta do mundo, ninguém sabe. Isso tudo é especulação. Mas, com todo esse avanço robótico, espero que nós, seres que apreciamos a tecnologia, sejamos inteligentes e usemos a inteligência artificial com consciência, para o bem.