Descubra os poderes da computação cognitiva

em Tecnologia.

Talvez você não tenha ouvido falar sobre computação cognitiva, ou talvez você conheça, mas não saiba totalmente o que significa. Talvez você conheça o Jarvis. Lembra dele? De O Homem de Ferro? O personagem e a tal computação cognitiva têm muito em comum. Por quê?

Na ficção o assistente digital é um supercomputador que compreende a linguagem de Tony Stark e capta dados do ambiente para ajudá-lo, oferecendo bons conselhos e descobrindo as fraquezas de alguns inimigos, por exemplo. E se engana quem pensa que esse tipo de tecnologia só existe nos quadrinhos. Tudo bem que Jarvis tem muito da imaginação de Stan Lee e sua turma, mas sim, existem robôs com essa capacidade no mundo real.

A computação cognitiva leva esse nome porque seu funcionamento tem algumas semelhanças com a capacidade de nós, seres humanos, percebermos informações e adquirirmos conhecimento. A tecnologia traça uma espécie de paralelo com nossa capacidade de cognição. Por esse motivo existem computadores capazes de auxiliar médicos na descoberta de doenças e na cura das mesmas.

Os sistemas cognitivos são diferentes dos computadores tradicionais. Eles não apenas seguem as instruções de um software; eles processam as informações de modo autônomo. O Watson, da IBM, por exemplo, funciona por meio de algoritmos matemáticos avançados e é movimentado por uma infraestrutura poderosa para processar muitos dados.

A computação cognitiva compreende a linguagem natural, texto, imagem e outros dados – inclusive muitos dos que não foram convertidos para a linguagem das máquinas tradicionais. Por serem treinados para executar tarefas variadas, os computadores são dotados de algoritmos complexos e sofisticados. Confira algumas áreas em que essa tecnologia vem sendo utilizada:

→ Saúde

Na área da saúde a computação cognitiva tem se destacado. Com relação a doenças complexas, como o câncer, essa inteligência pode auxiliar os médicos a irem além, já que cada tumor tem seu próprio genoma e é necessário investigar melhor. Os profissionais, utilizando a tecnologia, podem consultar uma biblioteca médica em sua base de dados e propor tratamentos para cada paciente, pois será possível avaliar cenários, chegando ao mais próximo da cura.

→ Educação
Não há como negar que a tecnologia transformou – e continue transformando – a educação. Cursos online e aplicativos voltados ao compartilhamento de conhecimento só crescem, gerando um grande número de dados sobre alunos, seus pontos fortes e suas dificuldades na hora do aprendizado. A computação cognitiva, nesse caso, pode utilizar essas informações para gerar um plano de estudos que se adeque a cada perfil, atuando como uma espécie de “assistente pedagógico”.

→ Marketing

Sabia que a computação cognitiva pode ser o futuro do telemarketing? Sim, se essa tecnologia continuar caminhando velozmente, em pouco tempo teremos um computador capaz de dar respostas assertivas e eficientes, baseadas no comportamento dos clientes – principalmente por ter muito do comportamento humano e, segundo, porque pode armazenar um grande número de informações.

É parece que a ficção se transformou em realidade, não é mesmo? Será que em breve também teremos “Jarvis” para chamarmos de nossos? Façam suas apostas, o futuro acontece em um piscar de olhos.

Fonte: Revista Superinteressante

Você também pode gostar