Como a viagem à lua provocou avanços na tecnologia?

em Curiosidades, Dicas e novidades.

Leia ouvindo: O Astronauta de Mármore / Nenhum de Nós

Aos oito anos de idade eu não sabia muita coisa. As aulas de ciências eram complexas – e continuaram sendo durante o ensino médio – mas eu sabia e tinha certeza de que o homem havia ido à lua. E que o Mickey também. E ponto. Sem teorias conspiratórias.

Sem corrida armamentista. Sem os filmes de Stanley Kubrick.

O livro A lua fica muito longe?, da Disney, havia despertado minha atenção de tal forma, que o devorei em pouco tempo. A imagem – acredito que era uma fotografia – da lua em preto e branco, com todas as suas crateras, havia me fascinado. E, sim, antes de decidir pelo jornalismo como profissão, sonhei em ser astronauta. Quem nunca, não é mesmo?

Eu queria, assim como Neil Armstrong, pisar naquele solo e dizer: “É um pequeno passo para um homem, um grande salto para a Humanidade”. Mas como você pode perceber, não foi o que aconteceu. Com o tempo fui achando outras formas de me aventurar: o clássico Viagem à Lua, dirigido por George Méliès; Da Terra à Lua, de Jules Verne, Lunar e tantos outros… Verdade ou mentira, teoria da conspiração ou não, o fato é que essa viagem toda mudou minha vida. E a sua também.

homem-na-lua
Há 47 anos, no dia 20 de julho de 1969, a lua recebia o primeiro terráqueo.

O homem aterrissava em solo lunar com um computador – pasme – de apenas 2 kb de RAM, provavelmente mais inferior ao smartphone que você usa (e ainda xinga de lento).

A tecnologia era bastante rudimentar – totalmente incomparável aos PCs e Macs que utilizamos hoje em dia. O Apollo Guidance Computer (AGC), presente no Módulo Lunar da nave, pesava 32 kg e era equivalente a uma calculadora científica atual. Momentos antes do pouso o computador começou a dar erro e reiniciar. O motivo? Sobrecarga de informações computadas pelos astronautas – #medo.

Mas não pense você que só os computadores mudaram nesse quase meio século. A viagem do homem à lua proporcionou grandes mudanças. Comidinha aquecida em um minuto? Com o forno micro-ondas, é claro. Passear por aí sem se perder? Com o GPS.

Fraldas descartáveis, velcro, códigos de barra… São tantos elementos que hoje fazem parte de nosso dia a dia que nós nem imaginamos que eles estão aí por causa da aventura lunar de Armstrong e sua turma.

Sério?
Tudo isso?
Sim, tudo isso!

Se hoje existem aparelhos sem fio foi devido ao aparelho que Neil usou para perfurar pedras lunares em 1969. A medição das ondas de calor dos planetas e estrelas contribuíram para que nossos termômetros tivessem sensores infravermelhos.

A saúde dos astronautas naquela época era controlada por meio de monitores cardíacos – hoje vistos em hospitais. E as lentes de contato, por exemplo, foram criadas para proteger os aventureiros da luz ultravioleta.

O teflon, que hoje utilizamos para não deixar a omelete grudar, primeiramente serviu para proteger foguetes os alimentos desidratados por causa da gravidade.

Há 47 anos se falava em transformar urina em água potável – e essa estratégia já era utilizada em naves espaciais, mas… Bill Gates já tomou essa ideia como inspiração e investiu em uma máquina que transforma fezes humanas em água. Em breve também em nossas casas (?).

transformando fezes em água

É, meu caro Neil, fora um pequeno-grande salto. Verdade? Mentira? Não importa.

O homem foi à lua e hoje comemoramos 47 anos desse feito usando frigideira de teflon, nossas lentes de contato, medindo a temperatura com um termômetro digital, comprando produtos com códigos de barra, brincando com o GPS.

E viajando.
No mundo da lua.

Ps.: Que bom que eu optei pelo jornalismo.

Lua sendo atingida