Como podemos medir as métricas de um site?

em Geral.

Uma das ferramentas gratuitas mais usadas para analisar as métricas de um site é o Google Analytics.

Neste post, vamos falar de algumas destas métricas:

Sessões ou visitas

São as visitas feitas ao seu site. Todas as ações que o usuário realiza ficam armazenadas em uma sessão só.

Se o usuário ficar 30 minutos inativo e depois retornar, será considerada uma nova sessão.

Usuários

São os interessados que visitam sua página, tudo o que ele faz fica armazenado na sessão. 1 usuário pode gerar muitas sessões.

Visualizações de página

Vezes que as páginas foram visualizadas (se a página for atualizada, será uma nova visualização).

Visualização de página única

Contabiliza apenas uma visualização de página por usuário.

Taxa de rejeição ou Bounce Rate

É a porcentagem de usuários que visita o seu site, visualiza apenas uma página e sai sem clicar em nenhuma outra página.

Caso você tenha um blog, a taxa de rejeição será alta, pois muitos usuários acessam para ler apenas um post e saem.

Tempo Médio na página

Se você tem um blog ou um ecommerce, por exemplo, é importante notar se os leitores ficam pouco tempo na página.

Ou se você possui um ecommerce e o usuário fica muito tempo em uma página que não deveria, talvez tenha algum problema no código, alguma lentidão nas consultas.

Fonte de Tráfego ou Origem/Mídia

É muito importante saber de onde os visitantes vieram, para isso serve o filtro Origem/Mídia.

A Origem é o mecanismo de pesquisa, e mídia a categoria da origem, pode ser orgânico, cpa, cpv.

Exemplos de Origem:

  1. Google;
  2. Bing;
  3. Facebook;
  4. Yahoo;
  5. Twitter.

Exemplos de Mídia:

  1. Orgânico;
  2. CPA;
  3. CPC;
  4. CPV.

Conforme falado no post anterior Origem (source) e Mídia (medium) são dados extraídos via UTM.

Quando fazemos mídia paga é importante sempre taggear para sabermos de onde vem.

Confira um exemplo de como ver todas essas métricas juntas: acesse seu Google Analytics e vá em Comportamento > Todas as páginas (no meu caso, escolhi a página do meu post anterior).

Em Dimensão Secundária selecionei Origem/Mídia:

Com este relatório, consigo visualizar todas as métricas mencionadas.

Na 1ª linha temos o tráfego direto, que é quando o usuário digita diretamente o link, ou pode acontecer se ele recebe o link do post e acessa.

Se não houve tagueamento no link, ele vem como direto.

Ns 2ª linha onde a fonte de tráfego é o facebook a taxa de rejeição é alta, um dos motivos pode ser porque o usuário clica no anúncio do post no facebook, lê o post e retorna.

Na 3ª linha temos a pesquisa via google, pelo orgânico.

Pessoas que vieram por esta fonte de tráfego ficam mais tempo na página, pois elas estavam procurando por este conteúdo, são pessoas mais interessadas.

E a taxa de rejeição está bem baixa, ou seja, essas pessoas leram outros posts também e visitaram outras páginas do Blog.

Na 4ª linha temos o cpc (custo por clique) que é a mídia paga do google, mas este tráfego não foi bom, pois a taxa de rejeição foi alta e o tempo médio na página muito baixo, então o conteúdo não foi lido.

Isto pode significar algum tagueamento errado ou alguma configuração errada na ferramenta do Google, pois é claro que o cliente não gostaria de cair nesta página.

Estes são alguns insights que podemos tirar apenas com essas métricas básicas, lembrando que a ferramenta é extensa e podemos coletar todo tipo de informação.

Até a próxima!

Você também pode gostar