De onde vem a internet?

em Institucional, Revista Locaweb.

Antes de chegar a sua casa, a banda larga é transportada por uma série de cabos enterrados na terra ou no fundo do mar. Essa modalidade garante que os dados sejam enviados com segurança e qualidade e permite que os continentes se tornem cada vez mais conectados.

Por Marcella Blass

Na primeira metade do século XIX, cientistas e engenheiros europeus tentavam utilizar a eletricidade para transmitir mensagens. Logo, o telégrafo elétrico surgiu como um meio de trocar mensagens de forma rápida e segura.

Em 1850, o primeiro cabo submarino foi instalado no Canal da Mancha, ao sul da Inglaterra e ao norte da França. Essa foi apenas a
primeira experiência com a tecnologia e serviu para aprender que o cabo usado era fi no e leve demais, além de ser inefi caz em seu isolamento. O aprendizado rendeu um cabo mais aprimorado, em 1858, implantado no mesmo lugar. Sucesso. A partir daquele momento, as duas nações mais prósperas do mundo estavam conectadas.

Já no Mediterrâneo, o primeiro cabo submarino foi implantado no início da década de 1850, entre França e Argélia, porém, a comunicação foi bastante falha. Só em 1870, depois de duas tentativas fracassadas, os franceses conseguiram fazer seu primeiro cabo confi ável e direto entre a França e o norte da África, por meio da inglesa Marseilles, Algiers and Malta Telegraph Company.

No Brasil, o primeiro cabo instalado no fundo do mar fez parte da inaugural linha telegráfica brasileira, em 1857. Ele interligava a Praia da Saúde, no Rio de Janeiro, com a cidade de Petrópolis e tinha uma extensão de 15 quilômetros. Um pouco mais tarde, em 1874, D. Pedro II inaugurou um cabo interligando Rio de Janeiro, Salvador, Recife e Belém. A linha Recife, João Pessoa, Natal foi concluída no ano seguinte.

A ligação com a Europa foi estabelecida em 1875. Resultado dos esforços organizacionais e financeiros de Irineu Evangelista de Souza, o Visconde de Mauá, a linha internacional conectava o Brasil a Portugal.

Continue lendo na Revista Locaweb – Edição 59.

 

Você também pode gostar