Depois de um ano atípico, que foi o de 2020, finalmente concluímos o acordo da Vindi com a Locaweb. Vou explicar por que educar o mercado de assinaturas e ter um foco específico, nos tornaram sócios do grupo.

Esse acordo teve muito a ver como a gente enxerga o futuro, a tecnologia e como as pessoas vão consumir produtos e serviços daqui para frente.

Esse artigo em formato de testemunho, foi escrito para contar como empresas no modelo recorrente: SaaS, clubes de assinatura, escolas e todo negócio com recorrência precisam pensar em produzir conteúdo para escalar seus negócios. Isso em algum momento, vai mudar a jornada de qualquer empresa que consiga.

Cobrança recorrente e um esforço disciplinado na produção de conteúdo, nos trouxeram até aqui. 

Sobre a economia da recorrência 

A indústria do software mudou a forma que consumimos serviços e produtos e está literalmente “engolindo o mundo”. Essa indústria, amparada 100% em cloud (computação em nuvem), fez uma transformação óbvia em diversas economias. Até o varejo, a indústria e agricultura usam serviços na nuvem para liderar seus setores. E isso tem muito a ver com recorrência e assinaturas.

Uma pesquisa realizada pela Zuora, em 2018, estimou que até acabarmos o ano de 2022, 99% dos consumidores serão compradores de serviços de assinatura. E de fato, estamos num ritmo acelerado para digitalizar a maior parte dos serviços que a gente consome hoje em dia. 

A gente assina serviços de streaming de vídeo, de música, estudamos e jogamos games online, pagamos academia no modelo de assinaturas, compramos ração recorrente, pagamos seguro, condomínio, entre outros serviços e de fato, boa parte (ou a maior parte) do nosso orçamento, passa por negócios recorrentes (planos, mensalidades e assinaturas). 

É a economia da recorrência entrando nas nossas vidas em forma de acesso.

Desde nossa fundação, ter um foco claro em resolver as dores de empresas com modelos recorrentes, foi decisivo. Escolhemos uma dor grande: 70% do nosso PIB está no setor de serviços e a maior parte dessa riqueza, é mensalidade. Para isso, criamos uma plataforma que atende desde igrejas a grandes empresas de tecnologia. Por uma questão de timing e momento, não conseguimos ter a Locaweb como cliente.

Fizemos melhor: agora somos sócios.

Vindi, Locaweb e a Recorrência

Quando começamos a Vindi em 2013, a Locaweb comemorava 15 anos de vida. Mas já olhávamos essa “jovem veterana” como um benchmark importante, já que era muito raro ter uma empresa brasileira, focada em atender centenas de milhares de empresas. Ainda é raro, nessa magnitude hoje em dia, mas estamos no caminho certo no país para que mais outras empresas consigam esse tamanho e impacto.

Era muito difícil há alguns anos, ter conteúdo brasileiro para falar sobre métricas SaaS, sobre fundraising e os primeiros fundos de investimentos ainda estavam no início da jornada por aqui. Então, nossa decisão foi tentar escrever o maior número de conteúdo possível, sobre recorrência, realizar eventos e produzir podcasts sobre startups e empreendedorismo. Nossa visão era tentar conversar com o mercado, educar os primeiros fundadores de negócios de assinaturas e o mais importante: aprender sobre como escalar um software para milhares de clientes.

A Locaweb sempre fez isso muito bem.

Todas as vezes que a gente procurava um case brasileiro que tivesse escalado centenas de milhares de clientes, a gente não encontrava ninguém no Brasil, se não a Locaweb. Olha que ironia… Obviamente, conhecíamos o case do grupo que ia muito além de um criador de site e de uma plataforma de hospedagem de site, e em 2015, conhecemos pela primeira vez, alguns dos executivos da Locaweb e ali já vimos um sinal forte sobre escalar um negócio de software e uma cultura parecida com a nossa!

Desde o início da Vindi, sempre fomos “tentados” a mudar nosso rumo e foco, para entrar em setores e em indústrias que a gente não conhecia. Muitas vezes, tentamos inclusive testar esses novos mercados. Sempre fomos muito severos com o foco de atender empresas recorrentes. Desde escolas, funerárias, ongs, SaaS, academias, games, streamings até clubes de futebol, nossa decisão foi duplamente validada pelo acordo que fizemos com a Locaweb.

As primeiras negociações que tivemos com a Locaweb, antes do fechamento, sentimos com a certeza que chegaram até a Vindi, por conta da nossa forma como nos comportamos na produção de conteúdo, na educação do mercado e especialmente porque mantivemos desde sempre, o foco na recorrência.

Agora, dentro do grupo, estamos mais fortes nesse foco em simplesmente garantir os pagamentos recorrentes dos nossos clientes.

Esse artigo foi produzido por Rodrigo Dantas, CEO da Vindi.