Goste você ou não, Pokémon Go é o assunto da vez – e precisamos falar sobre isso.

Quando surgiram os primeiros rumores de que a Nintendo lançaria um game com realidade aumentada, isso ainda em 2015, fui tomada por um misto de nostalgia, ansiedade e curiosidade.

Capturar Pokémons usando o smartphone, interagindo com os lugares que frequentamos, vai muito além da diversão e entretenimento que um jogo é capaz de proporcionar; tem a ver com comportamento humano e não podemos negar que isso está transformando a forma como interagimos.

Quer um exemplo? Analise seus amigos durante o almoço, ou leve seu cachorro para passear no fim de tarde. Você encontrará pessoas com o celular em mãos, como de costume, mas dessa vez elas estarão agindo de maneira “estranha”, apontando o celular para diversos lugares – e não se engane, elas não estão fotografando, estão jogando.

Muitas pessoas passaram a sair mais de casa, a se exercitar, a conhecer melhor o bairro em que moram devido ao game. Gente que estava desempregada viu no jogo uma forma de ganhar dinheiro e colocar as contas em dia, organizando tours pagos para crianças caçarem os personagens.

Aproveitando a febre do Pokémon Go, o hospital C.S. Mott Children’s, em Michigan, nos Estados Unidos, achou uma forma legal de entreter os pacientes infantis. Incentivou as crianças a fazerem o download e a jogarem dentro do hospital, assim poderiam interagir com os demais e se divertiriam.

A criatividade, a conectividade e a experiência são frutos dessa nova fase que o game dá início. Quem ganha? Todos nós. A partir dessa tecnologia será possível desenvolver aplicativos sobre história da arte, transporte público e turismo, por exemplo, tendo como base a realidade aumentada e a gamificação.

Pokémon Go e as tendências

O portal Trend Observer, plataforma internacional independente focada em estudar tendências e inovação publicou um artigo com as principais trends vistas em Pokémon Go. Confira cinco delas:

Experiência e Storytelling

Narrativa, nostalgia e experiências compõem Pokémon Go. Por meio da realidade aumentada, o mundo físico se mistura ao mundo virtual, proporcionando ao usuário uma experiência única, em que ele pode caçar Pokémons pela cidade.

Resgatando o hit dos anos 1990, o game utiliza a nostalgia para despertar a curiosidade. Faz das cidades um tabuleiro e proporciona aos gamers experiências do mundo real, trazendo à tona as raízes simbólicas dos indivíduos e dos espaços urbanos.

Sentimento de pertença
O portal também aponta essa vontade generalizada de vivenciar o jogo como uma tendência. Mesmo que várias pessoas participem de tribos diferentes, elas têm vontade de experimentarem o Pokémon Go. Gerações X, Y e Z, sem levar em conta o perfil social ou educacional, desejam ser, ter e fazer algo em comum – e o jogo pode ser uma tradução desse “todo”.

Viver a cidade

O estudo ressalta a vontade dos indivíduos que, na sociedade contemporânea, moram em grandes centros urbanos e têm vontade de viver intensamente os espaços que habitam; com a consciência de que a cidade é de todos e precisa ser explorada e vivida. O jogo nesse caso, proporciona isso, a partir do momento em que usa o GPS para que as pessoas saiam à procura dos personagens.

Gamificação

A dinâmica do jogo é aliada a uma narativa ficcional, levando os gamers a jogarem pelas cidades. Para se acumular pontos ou alcançar metas, eles são estimulados a percorrerem longas distâncias, frequentarem áreas verdes, dentre outras possibilidades. Olha a gamificação aí! 😉

Geek é o novo cool

Pokémon é um hit dos anos 1990 e uma pequena parcela de gamers continuou nesse universo e jogou variáveis do desenho em jogos para computador, por exemplo. Agora, quando o “geek” vira algo cool, esbarramos nessa tendência. Pokémon Go representa essa quebra de barreira, de levar personagens há muito esquecidos, para a cultura de massa, tornando-se objeto de desejo.

Viu só? Não é apenas um jogo, tem muita coisa envolvida aí! Mesmo que muitos odeiem Pokémon, vale a experiência. E você, já fez o download do jogo? Comente com o que está achando do game! 😀

Ps.: Espero que você tenha tido a sorte de fazer download. O aplicativo não comporta no meu celular e tive que “roubar” o smartphone da minha mãe. =(