No Brasil, mais de 66% da população brasileira é usuária de redes sociais, segundo um relatório feito pela We Are Social, em parceria com o Hootsuite. Encantados por esse cenário, muitos empreendedores acreditam que podem restringir suas estratégias e vender apenas nas redes sociais. Contudo, essa pode não ser a melhor alternativa, já que frequentemente existem atualizações que influenciam a entregabilidade do seu conteúdo.

Vamos conhecer 5 motivos que impactam as suas vendas nas redes sociais e como aumentar o seu ticket médio com novas estratégias de venda?

5 motivos pelos quais você não deve vender somente nas redes sociais

Embora as redes sociais sejam excelentes para promover seus negócios e fazer com que a marca se aproxime do público, o ideal é que elas não estejam sozinhas. Suas funcionalidades e recursos limitados podem impactar as ações da sua empresa e oferecer algumas restrições para quem vende apenas pelas redes sociais. 

1. Algoritmos

Para melhorar o engajamento no Facebook e aprimorar o ambiente para os usuários, Mark Zuckerberg iniciou diversas mudanças no algoritmo da plataforma desde 2018. A partir de então, a rede passou a priorizar as postagens que possuem mais engajamento, fazendo com que as marcas tivessem que investir mais (tempo e dinheiro) para alcançar seu público, uma vez que consequentemente, eles recebem conteúdos das contas que mais interagem. Assim, o alcance, o engajamento e o tempo de consumo das páginas de marcas foram drasticamente reduzidos.

Uma mudança semelhante ocorreu em 2019, quando o Instagram suspendeu a exibição do número de curtidas nas fotos. Usuários de perfis pessoais e comerciais relataram números baixos no engajamento, e essas métricas ainda apresentam diversos desafios já que em tese, as publicações que possuem um número maior de interações nas primeiras horas de postagem, podem ser entregues para mais usuários.

Redes sociais são projetadas para que as pessoas permaneçam um longo período navegando por elas, o que também inclui novas posturas por parte das marcas para se manterem em evidência. Para continuar promovendo engajamento, é preciso investir continuamente em conteúdos, de modo que a rede não possa ser inteiramente dedicada às vendas.

E para isso, muitas empresas acabam criando blogs e sites institucionais para conquistar ranqueamento nos principais buscadores do mercado, gerar tráfego e aumentar as conversões na internet. Dessa maneira, você poderá criar publicações no seu site e divulgar nas suas mídias sociais promovendo uma experiência do seu cliente com outros conteúdos que vão além das vendas. 

2. Alto investimento em anúncios

Atualmente, o Facebook e o Instagram dão incentivo para as marcas monetizarem suas publicações. Com algoritmos que priorizam cada vez mais as interações entre usuários, as empresas precisam investir mais em anúncios para continuar aparecendo no feed dos possíveis clientes. Isso significa que como plataformas de vendas, elas podem exigir um alto investimento, já que a cobrança de uma campanha é contabilizada a partir de interações como alcance e cliques.

Uma das estratégias ao desenvolver campanhas nessas plataformas, é adicionar um link para tráfego na publicação, dessa maneira, as taxas de conversões podem se tornar maiores, e o usuário tem a chance de interagir com aquele conteúdo, explorando ainda mais a divulgação daquele produto ou serviço.

3. Personalização

Outro grande fator que influencia a experiência dos clientes com sua marca, são as poucas opções de personalização que as redes sociais oferecem. Diferente de um site em que é possível alterar cores, adicionar logo, imagens personalizadas, menu, categorias e diversos fatores que podem tornar um site a vitrine do seu negócio. 

Nas redes sociais, o atendimento também está condicionado às funcionalidades das plataformas, o que nem sempre pode ser satisfatório para o cliente e a empresa, já que muitas vezes, é necessário oferecer um canal segmentado para cada tipo de necessidade – como vendas, suporte e pesquisas de avaliação. 

Como alternativa, além de criar um site, diversas empresas investem em ferramentas como o e-mail profissional, que permite a criação de caixas personalizadas e contam com recursos como filtro de mensagens, assinaturas, recibos de leitura e respostas automáticas.  

4. Segurança de dados

Graças ao escândalo da Cambridge Analytica, as pessoas ficaram mais atentas aos riscos gerados pelas redes sociais em relação aos seus dados pessoais. Sendo assim, a confiabilidade para realizar transações dentro dessas plataformas é ainda menor. 

Como alternativa, Instagram e Facebook que oferecem opções para divulgar produtos, solicitam que um site ou e-commerce seja vinculado à conta e associado às publicações. Dessa maneira, toda vez que um consumidor interagir com o seu post, ele será direcionado para a página oficial do produto. 

A partir disso, a sua loja online precisa estar preparada para oferecer outros recursos fundamentais para a segurança do usuário e das transações, como gateway de pagamento e certificado de segurança, tornando seu site confiável para navegação e tráfego de dados criptografados.

Outro fator que não pode ser esquecido é a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, conhecida popularmente como LGPD, que entrou em vigor em setembro de 2020 e exige a revisão das atividades que envolvem coleta, tratamento e armazenamento de dados pessoais. Fator que deve ser observado com muito cuidado pelas empresas ao utilizarem as mídias sociais como ferramenta de venda. 

5. Bugs nas plataformas

Quem nunca se desesperou por um problema de instabilidade das redes sociais, não é verdade? Em alguns momentos, ocorrem dificuldades técnicas e as plataformas ficam fora do ar por um período indeterminado. 

Quando uma empresa fica restrita a esses canais de venda, e isso acontece, a estratégia de comunicação e comercialização é prejudicada, podendo gerar perdas financeiras significativas, dependendo do tempo de oscilação. 

Contudo, é importante ressaltar que as redes sociais têm como objetivo aumentar o tempo de permanência do usuário nelas, o que faz com que elas não sejam tão eficientes para as interações dos seus usuários com o seu negócio — daí a necessidade de investir em uma estratégia diversificada, como explicaremos a seguir.

Como criar uma presença digital integrada

Agora que você já sabe sobre as limitações das redes sociais para a comunicação com o seu público, está na hora de entender quais são as estratégias que podem ser implementadas para impulsionar o negócio e aumentar seu ticket de vendas. 

Site ou lojas virtuais

Com uma loja virtual e/ou um site, você proporciona uma experiência de marca mais completa aos seus potenciais clientes, além de profissionalizar a sua presença digital. É essencial que, além dos recursos gráficos atraentes e uma navegação simples, você também ofereça segurança de dados aos seus visitantes. 

É importante contar com um serviço que inclua certificados de segurança e soluções como intermediadores de pagamentos, que permite verificar o histórico do comprador e o estado da transação. Assim, você e seus clientes têm toda a tranquilidade para fechar novos negócios.

Além disso, ao possuir um site ou uma loja virtual, a presença digital da sua empresa se torna ainda mais profissional, o que gera mais credibilidade e possibilidades de conversão, para que o seu negócio possa explorar ainda mais esses mercados.

E-mail marketing

Na era do excesso de informações, o e-mail marketing ganhou uma importância ainda maior para as empresas que desejam construir um relacionamento e fidelizar seus clientes. 

Segundo pesquisas, quando utilizado da maneira certa, essa ferramenta chega a ser 40 vezes mais efetiva do que o marketing nas redes sociais. Os mesmos estudos demonstraram que a taxa de conversão chega a ser de 70%.

Aliado a um a um site ou e-commerce, o e-mail marketing ajuda a redirecionar o seu público para as páginas dos produtos e serviços que mais interessam a ele, a partir de campanhas segmentadas e personalizadas. Assim, seus potenciais clientes vão receber conteúdos e ofertas direcionadas, aumentando o engajamento e assertividade da sua campanha. 

Muitas empresas utilizam e-mail marketing para fazer disparos de comunicados em massa como newsletters, campanhas e ofertas especiais.

SEO

As estratégias de Search Engine Optimization (SEO) fazem com que seu site seja otimizado para ferramentas de busca como o Google, ficando entre as primeiras opções quando o potencial cliente pesquisa pelos termos associados ao seu negócio. 

São diversos os recursos e as táticas para que o seu site seja favorecido pelo Google: agilidade de carregamento da página, uso de palavras-chave, uso de certificados de segurança, conteúdos (alimentados com estratégias de marketing digital), entre outros. 

Anúncios no Google

Os anúncios patrocinados criados por meio do Google AdWords, permitem que você aumente significativamente o número de acessos ao seu site. Isso acontece porque eles são altamente segmentados, apresentando os produtos e serviços da sua marca a pessoas que tenham o perfil que você procura. 

As redes sociais estão sempre ganhando mudanças em seus algoritmos. Nos últimos anos, elas têm priorizado as interações dos usuários, fazendo com que as empresas tenham que apostar cada vez mais em novas estratégias de conteúdo e segmentação. Sendo assim, uma das melhores alternativas é tornar sua presença digital estratégica e integrada a outros canais, como um site ou e-commerce.

Ofereça uma página segura, dinâmica e funcional aos seus clientes, de forma que você proporcione uma boa experiência de interação e compras. 

Agora que você já conhece as desvantagens de contar apenas com a estratégia de venda nas redes sociais, faça um teste de 15 dias no Criador de Sites da Locaweb e descubra como dar o próximo passo do seu negócio na internet.