Executiva destaca a importância das pautas ligadas a temas como diversidade, inclusão e sustentabilidade 

Criar uma boa cultura organizacional e abordar pautas que vão além dos lucros é uma das chaves para construir ambientes de trabalho saudáveis e consolidar o sucesso de empresas de todos os portes e segmentos. Tânia Cosentino, presidente da Microsoft Brasil, fala sobre as ações e os posicionamentos da empresa em relação aos tópicos diversidade, inclusão e sustentabilidade. 

Como é trabalhada a pauta de diversidade dentro da Microsoft?

Um dos pilares da cultura da Microsoft é a diversidade e a inclusão. Acreditamos que um ambiente com diversidade de perfis e experiências tem muito mais chances de entender as necessidades dos clientes e gerar ideias inovadoras.  

Qual é o objetivo central deste pilar?

Quando adotamos a missão de empoderar cada pessoa e organização do planeta a conquistar mais, assumimos essa pluralidade e exercemos diversidade e inclusão de maneira abrangente – englobando gênero, etnia, idade, orientação sexual, religião e muito mais. Queremos que ideias e opiniões diferentes sejam respeitadas para termos, de fato, uma empresa que inspire os consumidores e parceiros com os quais nos relacionamos diariamente.

A Microsoft Brasil tem um comitê sobre o assunto, certo?

Sim. Implementamos, em 2012, o nosso Comitê Local de Diversidade e Inclusão e trabalhamos com quatro pilares: Mulheres na Microsoft, Blacks at Microsoft, LGBTI+ e Acessibilidade. Em todos os pilares são trabalhadas duas frentes: atração (recrutamento) e retenção (desenvolvimento e oportunidades de carreira).

Como isso funciona na prática?

Realizamos algumas ações específicas dentro de nosso ambiente de trabalho, como promoção de treinamentos internos obrigatórios para contratações inclusivas e sensibilização sobre vieses inconscientes e não intencionais. Há também o trabalho com a comunidade de líderes da Microsoft sobre a importância da diversidade e inclusão, além dos investimentos em programas de estímulo às carreiras STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharias e Matemática), para ajudar a preencher vagas com pessoas diversas e talentosas.

Você também está envolvida com outras pautas importantes, como sustentabilidade. Por que é tão importante trabalhar esse tema dentro de uma empresa?

Para a Microsoft, sustentabilidade é um imperativo do negócio. Acreditamos na geração de lucro por meio do propósito e vamos além, com a transição para uma economia de baixo carbono – que pode ser uma das maiores oportunidades de negócio da nossa era. E fico feliz em ver que a tecnologia é uma aliada nessa jornada. Colocamos o tema nas nossas discussões, internamente e com nossos clientes. Afinal, é importante sempre lembrar que não existe empresa saudável em um planeta doente.

Quais são as expectativas da Microsoft em relação à sustentabilidade?

A nossa jornada em sustentabilidade começou há mais de 10 anos, sendo acelerada no início de 2020, quando assumimos ambiciosos compromissos com o meio ambiente – entre eles, zerar nossas emissões de carbono até 2030 e negativar nossas emissões históricas até 2050. Queremos ser positivos em água até 2030, não só atuando nas nossas operações, mas também contribuindo com comunidades próximas. Além disso, planejamos desenvolver centros de economia circular perto de nossas operações e utilizar tecnologia e inteligência artificial (IA) para preservação de biomas e espécies. No Brasil, onde atuamos há 32 anos, temos várias iniciativas para usar IA para proteger a Mata Atlântica e a Floresta Amazônica, nossos principais biomas.