Conhecido como “Rei da noite paulistana”, Facundo Guerra é a mente por trás de casas de shows, boates e bares bastante populares na cidade. O segredo para o sucesso em um mercado supercompetitivo, segundo ele, está na combinação de ensinamentos saídos da engenharia, do jornalismo e de ciências políticas –áreas de formação do empreendedor. Essa mistura, inclusive, faz com que ele enxergue o mercado de forma diferente e dê conselhos autênticos para quem está entrando nesse universo. Confira.

Na sua visão, quais são as principais dificuldades enfrentadas pelo empreendedor brasileiro?

Para mim, ser empreendedor no Brasil é mais difícil do que fazer carreira em medicina. Não conseguimos acesso fácil a capital, nossa educação é norteada em uma carreira específica e vivemos em um mercado tóxico do ponto de vista do discurso, com uma ideia inexistente de meritocracia. Isso sem contar que os brasileiros não estudam. A grande maioria faz isso empiricamente, do jeito que dá. Não é à toa que oito em cada dez negócios acabam falindo em quatro anos.

Existe alguma característica específica que um negócio deve focar para superar esses desafios?

O ensinamento mais importante é começar o negócio a partir de um problema real. Eu mesmo estou sempre resolvendo alguns, mas só me aventuro em um novo projeto quando há o que solucionar. Caso contrário, muito provavelmente vai dar errado.

Quais são os pontos positivos e negativos de se aventurar no empreendedorismo?

A maior vantagem de ser dono do seu próprio negócio é poder se expressar por meio dele. Isso não é apenas coisa de artista. Todo mundo é criativo em algum ponto. Muito empreendedor encontra em seu produto ou serviço uma maneira de expor para fora sua visão de mundo. Por outro lado, é preciso se preparar para não tem mais um minuto de sossego, nem direito a feriado. Isso sem contar a perda de segurança financeira, como o 13º salário.

Se você pudesse deixar um único ensinamento para as PMEs, qual seria?

Pequenos e médios empreendedores devem focar o diferencial. As PMEs não conseguem concorrer com os grandes negócios, pois eles correm atrás de preço competitivo e até diminuir a qualidade se for preciso. E mais: investem alto em marketing e enchem a internet de anúncios. Uma forma de contornar esses obstáculos é envolver a comunidade. Estou sempre compartilhando meus percalços e minhas dúvidas, pois, desse jeito, atraio as pessoas para a minha jornada e meus empreendimentos.

Quer ler mais entrevistas como essa e evoluir o seu negócio? Então, acesse agora mesmo a última edição da Revista Locaweb.