O dia a dia do empreendedor que vende no e-commerce é bastante complexo e cheio de desafios. Gerenciar os produtos para venda, estratégias, parcerias, integrações aos canais e relacionamento com os clientes. Além disso, a parte da gestão também consome tempo e energia, pois é preciso fazer cálculos, encontrar possibilidades e conciliar investimentos e necessidades para manter a operação ativa.

O cálculo de impostos é feito a todo momento: nas compras, nas vendas, na emissão de notas fiscais, mas nem sempre é percebido. O que é importante é o gestor entender os cálculos e como uma ferramenta de gestão automatizada, como um ERP, pode auxiliá-lo neste processo.

Neste artigo, vamos entender como calcular os impostos. Continue a leitura:

Por que contar com um ERP para gerenciar o negócio?

Um software de gestão é uma ferramenta importante para quem trabalha no e-commerce: integração, sincronização de informações e automatização de alguns processos burocráticos.

O ERP é uma ferramenta útil para empresas de todos os tamanhos e segmentos, seja em operação física ou online. Na parte fiscal, o ERP funciona como um emissor de notas ficais ao cliente, com o preenchimento do setup apenas no cadastro inicial, o que representa praticidade para o dia a dia e facilita o gerenciamento das informações e integração dos dados das diversas áreas envolvidas na empresa.

De que maneira o ERP auxilia no cálculo de impostos e parte fiscal do negócio?

Antes de tudo é preciso entender que apenas nas notas fiscais, diversos impostos podem incidir, como por exemplo:

  • Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ)
  • Contribuição para Financiamento de Seguridade Social (COFINS)
  • Programa de Integração Social (PIS)
  • Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL)
  • Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza (ISS)
  • Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)
  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)
  • Contribuição Previdenciária Patronal (CPP)

Com um ERP integrado, é possível gerenciar as notas fiscais sem precisar calcular os impostos de maneira manual.

Dessa maneira, as vantagens para a gestão fiscal são inúmeras, como ter maior controle das despesas, monitorar as notas fiscais, automatização dos cálculos e centralização dos dados em um só sistema.

como calcular impostos

Outras vantagens que o ERP traz para o setor financeiro e contábil:

Na prática, o ERP oferece suporte para as etapas do setor financeiro e contábil do seu negócio, como por exemplo:

  • Organização de contas a pagar e contas a receber: de pagamentos de funcionários a despesas de manutenção, compras e contas fixas. Com um sistema de gestão integrado é possível analisar os dados financeiros com precisão. Também é importante para medidas de cobrança e automatização de débitos.
  • Relatórios e notas fiscais: além de emitir as notas fiscais, o ERP também fornece relatórios e informações do negócio como um todo, para que o gestor possa analisar a operação com mais profundidade, em termos de estoque, crescimento, vendas e custos.
  • Economia e otimização de tempo e dinheiro: uma ferramenta de gestão auxilia na redução de custos, já que, além de automatizar tarefas, reduz necessidade de mão de obra e otimiza tempo do gestor para pensar no negócio de maneira mais estratégica e criativa.

Integrar para vender mais

Os tributos são um peso para os empreendedores que estão pensando ou já realizando o sonho de ter um negócio próprio. Muitas vezes, são eles que barram o crescimento da empresa, mas quando existe uma ferramenta que gere o tempo e melhora o acesso à automatização desses cálculos, o gestor passa a tomar melhores decisões para o negócio, por ter o auxílio de um ERP.

Se ainda não é cliente Bling, faça um teste grátis por 3 meses, utilizando o cupom  #locaweb e entenda na prática como uma ferramenta de gestão como um ERP integrado por ser uma aliado aos seus negócios.

Agora que você já sabe como calcular impostos, você precisa de ferramentas que sejam práticas e minimizem o trabalho manual, para que se possa pensar no negócio e na experiência na jornada de consumo do cliente em primeiro lugar.